dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     17/04/2024            
 
 
    

A citricultura se destaca como uma das mais importantes atividades do agronegócio brasileiro. A Região Nordeste responde por 9% da produção nacional, constituindo-se na segunda maior região produtora do país, com mais de 110.000 hectares cultivados produzindo cerca de 1,5 milhões de toneladas. Dentre os estados produtores, o destaque fica com Bahia e Sergipe, que representam juntos 90% da área plantada com citros da região. A produtividade dos citros no Brasil (20 t/ha) é considerada baixa se comparada com a dos Estados Unidos que está em torno de 33 t/ha. Na região Nordeste, incluindo o Estado de Sergipe a média de produtividade é ainda menor, ficando em torno de 14 t/ha. Esta baixa produtividade está fortemente associada à incidência de doenças, com significativos reflexos nos custos de produção; ao plantio sem irrigação e a estreita base genética das plantas. Em Sergipe a citricultura tem grande importância econômica e social é importante fonte de trabalho e renda. A região Centro-Sul do Estado concentra a produção e nela se destacam os municípios produtores Arauá, Boquim, Cristinápolis, Itabaianinha, Indiaroba, Salgado, Tomar do Geru, Pedrinhas, Santa Luzia do Itanhy, Lagarto, Riachão do Dantas, Itaporanga d'Ajuda e Estância. Dentre as propriedades citrícolas, 80% possuem área inferior a 10 hectares.

Um dos grandes desafios que o produtor de citros precisa vencer para melhorar a produtividade dos pomares é o convívio com as doenças. A podridão floral dos citros, conhecida popularmente como “estrelinha”  é uma das principais doenças dos citros e tem como agente causal o fungo Colletotrichum acutatum. Este fungo infecta as flores das plantas que ficam com manchas de coloração marrom, pêssego ou rósea-alaranjado (Figura 1). A infecção também pode ocorrer antes mesmo da abertura dos botões florais, provocando a completa podridão das flores. Os frutos recém-formados caem, e os discos basais, cálices e pedúnculos ficam fortemente aderidos aos ramos e recebem o nome de “estrelinhas” (Figura 2). Estas “estrelinhas” podem permanecer nas plantas por um período de até 18 meses. Muitos dos ramos que apresentam estas estruturas, geralmente não florescem, e isto compromete a florada seguinte.


 
Figura 1. Sintomas da podridão floral dos citros causados pelo fungo Colletotrichum acutatum


 
Figura 2. Sintoma típico da podridão floral dos citros denominado “estrelinha” após a queda dos frutos devido à infecção pelo fungo Colletotrichum acutatum

Condições que propiciam mais de uma florada dos citros, ou variedades que florescem mais de uma vez por ano favorecem a ocorrência da doença. Na região de Sergipe e Bahia, onde a florada dos citros é desuniforme a doença é altamente prejudicial à produção e de difícil controle. O controle da doença baseia-se, quase que exclusivamente na aplicação de fungicidas na época da florada. Entretanto, mesmo em condições adequadas, a pulverização de fungicidas não tem alcançado o nível de controle desejado.

Dentre os fatores que podem influenciar na efetividade dos tratamentos incluem-se: a escolha do fungicida, a época de pulverização e respectivo estádio de florescimento. Além disso, o fungo pode se tornar resistente a fungicidas de ação específica. E ainda, os custos financeiros e ambientais do uso de fungicidas bem como às crescentes restrições à presença de resíduos nos frutos colhidos, requerem o estudo de novas alternativas de controle desta doença. Portanto, existe uma forte demanda do setor citrícola a formas alternativas de controle da “estrelinha”. Estudar o progresso desta doença em diferentes combinações de copa e porta enxerto de citros poderá ser um indicativo de que existe a possibilidade de manejar a doença por meio da resistência genética. Estudos neste sentido estão sendo realizados pela Embrapa Tabuleiros Costeiros no Campo Experimental de Umbaúba em áreas experimentais com cultivo de citros em produção.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
José Júnior 07999874298
12/07/2020 - 22:22
Viviane preciso de sua ajuda!079 99874298

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Conteúdos Relacionados à: Citricultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada