dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     30/10/2020            
 
 
    
Floresta    
História Florestal
O sistema silvicultural de coleta seletiva e regeneração natural está ajustado a uma sociedade que concebia os recursos florestais como infinitos, retirando aquilo que necessita sem preocupação com o ritmo da reposição
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Eder Zanetti
24/06/2014

Ao longo do tempo todas as áreas florestais do planeta sofreram alterações pela interação com o homem, além daquelas naturais. A história é um trabalho de Pesquisa & Desenvolvimento, originária da investigação de eventos e processos ocorridos anteriormente. De onde viemos, onde estamos e para onde vamos – este é o campo de domínio da história. Do grego antigo στορία, a técnica envolve pesquisa ou investigação voltada para conhecer o comportamento do homem e sua aventura no tempo e espaço. Existem correntes do pensamento na ciência histórica, com destaque para a Providencialista (de Deus), Idealista (ideia gera realidade), Materialista (Econômica) e Psicológica-Social (Sociedade). A pré-história trata de averiguar o passado com base em evidências de vários tipos (tradição, contos, registros físicos etc.), quando ausentes textos comprobatórios, mas presentes elementos que possibilitam a sua compreensão geral. A proto-história, ou história, trata dos documentos e registros, oficiais e extraoficiais. Hoje a história é dividida entre idades: Antiga, Média, Moderna e Contemporânea. As florestas têm acompanhado a história humana desde antes do seu acontecimento, e apresentado diferentes papéis ao longo da evolução da comunidade global.

A pré-história inclui o surgimento da primeira árvore há 245 milhões de anos, glaciações e desmatamentos naturais, assim como o processo de integração entre o homem e a floresta, com a prática de coleta e caça e o domínio do fogo, há meio milhão de anos. O sistema silvicultural de coleta seletiva e regeneração natural está ajustado a uma sociedade que concebia os recursos florestais como infinitos, retirando aquilo que necessita sem preocupação com o ritmo da reposição. A coleta seletiva e regeneração natural são utilizadas quando existia o que hoje é uma visão romântica da sociedade global, apropriada para uma situação de algo como 27 mil árvores disponíveis para cada cidadão.

A pré-história das florestas ocorreu na África, na Ásia, na Europa, na Oceania e nas Américas de formas bastante similares, relacionadas com a evolução climática do planeta. O estudo deste comportamento das florestas nos diferentes continentes, relacionado diretamente com a evolução e mudanças climáticas históricas, determina o principal mecanismo da co-evolução entre as florestas e a sociedade, tendo como principal motor os fenômenos naturais envolvidos. As florestas também têm relação com a espiritualidade, com a alma, dos seres humanos influenciando a forma mítica como as pessoas ainda consideram, nos dias de hoje, algumas áreas florestais. A obra o “Senhor dos Anéis”, com suas árvores que caminham e falam, retrata as florestas de uma forma semelhante à como são vistas a magia praticada na Floresta Negra da Alemanha, as criaturas abomináveis que caminham no Alaska e Sibéria, os dinossauros escondidos nas Selvas Africanas e os eldorados perdidos da Amazônia Brasileira. Heródoto e Tucídides foram dois gregos que começaram a questionar o mito, a lenda e a ficção do fato histórico, narrando as Guerras Médicas e a Guerra do Peloponeso respectivamente.

Deixa-se a pré-história e entra-se na história pela Idade Antiga, ou Antiguidade, que vai da invenção da escrita (de 4000 a.C. a 3500 a.C.) até a queda do Império Romano do Ocidente (476 d.C.). Na América, pode-se considerar como Idade Antiga a época dos astecas, maias e incas. Na China a Idade Antiga termina por volta de 200 a.C., com o surgimento da Dinastia Chin, enquanto que no Japão é apenas a partir do fim do período Heian, em 1185 d. C. Na Índia, uma civilização de mais de 5 mil anos, estão os registros mais antigos da ciência florestal, que incluem prescrições sobre reflorestamento e o cultivo de árvores nas margens de corpos d’água descritos nos Vedas. Nas religiões estão registros de eventos florestais, como a Oliveira de Jesus Cristo, a Figueira do Buda e as Tamareiras do Alcorão. Neste tempo os homens exploravam as florestas utilizando machados de pedra e depois serrotes de metal, com a substituição de áreas para uso agropecuário e residencial avançando no mesmo ritmo do crescimento populacional, ainda bastante pequenos para ter impactos significativos na modificação dos cenários rurais, aonde vivia praticamente toda a população mundial. Durante todo o período as florestas sempre foram vistas como infinitas, por isso o corte seletivo e regeneração natural era a prática usual de manejo das áreas florestais, ajustado para a disponibilidade de cerca de 27 mil árvores por habitante. Na Amazônia brasileira há fortes evidências de extenso desmatamento para uso agropecuário e residencial, que ainda estava presente no início da colonização europeia.

A Idade Média vai da queda do Império Romano até a queda de Constantinopla – Império Romano do Oriente, em 1453 (ou outro evento importante em data próxima – conquista de Ceuta, chegada à América). Na Idade Média ou Idade das Trevas, as florestas representavam perigo. Os bosques incluíam-se nas áreas denominadas como incultos, por não haver atividade humana no trabalho da terra, sendo espaço de caça e de extração vegetal e mineral. O homem rural trabalhava as florestas como infinitas, sem qualquer preocupação com seu cultivo efetivo. Durante a Alta Idade Média, entre os séculos V e XI, a madeira A madeira foi a matéria-prima mais utilizada pela sociedade em todos os setores e exerceu uma importante função na produção material da vida dos homens medievais. O manejo florestal era executado com base no corte seletivo e regeneração natural, e levava a exaustão e baixa quantidade dos estoques florestais, ao mesmo tempo em que avançava o crescimento populacional e substituição de áreas para agropecuária, residencial, comercial e outros usos não florestais da terra. As guerras do período contribuíam para dizimar grandes áreas florestais. Nesta época o número de árvores por habitante decresce para 25 mil e tem início o uso de substituição da madeira por outros materiais.

A Idade Moderna surge depois do fim do Império Romano do Oriente e segue até o fim da Revolução Francesa, em 1789. A madeira continua sendo a principal matéria-prima para todos os setores da economia. Até o início do século a exploração das florestas europeias pelo sistema de corte seletivo com regeneração natural resultou em um estoque médio de 100 m³/ha e uma produtividade de 1 m³/ha/ano na região. As grandes navegações ocorreram neste período e com elas a ocupação e substituição de usos da terra florestal por agropecuária, residencial e comercial chegou aos litorais dos países tropicais. Na América do Norte ocorreu a conquista do território, e as florestas nativas foram dando lugar a cultivos de todos os tipos. No Brasil fomos de colônia para Império, com as florestas sob o domínio da coroa e as explorações em direção ao centro do continente ajudando a definir os limites territoriais do país. A exploração do Pau-brasil nas costas brasileiras quase levou a espécie à extinção. Em 1713 nasceu a primeira escola de florestas do mundo, na Alemanha, que iniciou o período de mudanças nos sistemas silviculturais, focados na seleção de indivíduos, coleta de sementes, produção de mudas, melhoramento genético de usos de interesse, plantios planejados com fertilização e irrigação, com produtividade e estoques aumentados no final da intervenção. Nesta época o número de árvores por habitante decresceu para menos de 4 mil. O homem continua rural, mas o crescimento populacional fez surgir a preocupação com o cultivo efetivo das florestas para produção de madeira e outros produtos florestais para fornecer uma crescente população urbana.

A Idade Contemporânea é o período que se inicia a partir da Revolução Francesa, e coincide com a chegada da era industrial no globo. A explosão demográfica foi acompanhada pelo aumento exponencial do ritmo de substituição dos usos da terra florestal em todo o mundo. Novas áreas de cultivo e criação de animais domésticos, novas áreas residenciais, comerciais, industriais e para a deposição de resíduos foram sendo incorporadas e a urbanização planetária tornou-se uma realidade. Hoje mais de 50% da população mundial vive nas cidades; no Brasil este número está próximo dos 90%. A silvicultura contemporânea alcança níveis de produtividade nunca antes vistos e os produtos florestais tem uma diversidade fantástica, presentes em todos os setores. O mercado de produtos florestais tem favorecido o crescimento de áreas com plantações florestais de alta performance e o desenvolvimento de uma indústria de alto nível tecnológico. O homem urbano pensa a floresta como um ativo financeiro e busca a maior rentabilidade possível do investimento, o homem rural não tem mais o poder de decisão, que está centralizado nas cidades. Na Amazônia Brasileira a prática silvicultural do corte seletivo e regeneração natural persiste, mesmo tendo sido abandonada pelo mundo ainda na idade moderna. Hoje, no mundo, há cerca de 370 árvores/habitante, o que demonstra a necessidade de fazer com que cada uma delas tenha uso e valor para a sociedade.

O estudo histórico facilita identificar a influência social - e sua magnitude, e a influencia natural, e sua capacidade de alterar em conjunto as características gerais das florestas. A história florestal está dividida em duas partes principais: A história da ciência florestal e a história das florestas. No primeiro caso, estuda-se o relacionamento entre a sociedade e as florestas, e os desenvolvimentos tecnológicos ocorrendo ao longo do tempo. No segundo caso estuda-se o relacionamento das florestas com o planeta, notadamente o clima e suas modificações.

No campo da Ciência Florestal, os países desenvolvidos destacam o papel do consumo da madeira como fundamental para a sustentabilidade das florestas. O padrão de desenvolvimento sócio-economico-ambiental dos Países Desenvolvidos – PD está alicerçado na hegemonia do bilionário mercado global de produtos florestais madeireiros, com um elevado consumo e produtividade, uma indústria de alta tecnologia e legislação que incentiva e fomenta o emprego da madeira como fundamental para reduzir os impactos ambientais da atividade humana. A integração das dimensões ambientais, sociais e econômicas da atividade florestal em torno do consumo e produção de madeira industrial é resultado de uma silvicultura de alta precisão e adaptada às demandas de uma sociedade que cresce. Perto de 100% da produtividade anual é utilizada, e a contribuição social e econômica da atividade florestal é notória.

Nos Países em Desenvolvimento – PED há uma contradição aparente entre o elevado nível de desenvolvimento silvicultural e tecnológico de um aparato industrial contemporâneo que convive com áreas de florestas naturais. Sob o uso de tratamento silvicultural de corte seletivo e regeneração natural, o resultado é que a contribuição econômica da atividade florestal nativa é irrisória, com alta exclusão social associada aos elevados custos de transação e regulamentação. A indústria florestal nativa competitiva é sustentável com emprego de silvicultura avançada. O consumo elevado de madeira tropical vai impulsionar a adoção de tratamentos silviculturais de alta produtividade, que podem fazer com que as madeiras de espécies nativas voltem a demonstrar vigor na sociedade.

O futuro reserva um eldorado para o setor florestal nativo dos países em desenvolvimento. Com potencial latente, as florestas naturais e a ciência florestal nestas regiões devem avançar consideravelmente nos próximos anos. Assim como melhora a condição econômica e social, o poder transformador do trabalho do homem também realiza impactos positivos no ambiente. Este poder transformador deve ganhar força como propulsor de uma nova realidade para as florestas naturais e a ciência florestal nos países em desenvolvimento, capaz de fazer frente aos desafios apresentados para a conquista de seus territórios e de um maior equilíbrio planetário. O aumento do uso das florestas nos países em desenvolvimento vai de encontro ao objetivo de conservar sua biodiversidade, na medida em que a demanda por produtos florestais nativos for incentivada. É este aumento do consumo vai gerar melhores condições para a gestão das florestas, impulsionando a atualização das florestas naturais dos países em desenvolvimento para as condições do clima e sociedade contemporâneos.

A valorização das áreas de florestas nativas pelo seu papel no combate às mudanças climáticas globais, biodiversidade e serviços ecossistêmicos é uma realidade que começa a ser regulamentada em todo o planeta. A tecnologia silvicultural que permite otimizar a produtividade dos sítios florestais pode receber aportes financeiros do fornecimento de serviços ecossistêmicos que incluem o sequestro e estoque de carbono, a produção e qualidade de água, a biodiversidade, os polinizadores, os habitat, a beleza cênica, a cultura e uma série de serviços distribuídos em grupos classificados como de: suprimento, suporte, regulatório e cultural. A alta produtividade é uma importante função do ecossistema florestal, que pode estar aliada a uma série de outros serviços ecossistêmicos dentro de uma estratégia regional (Infraestrutura Verde).

Na economia tradicional o uso dos fatores de produção (conhecimento, capital, recursos naturais e humanos) da maneira ótima resultava no maior ganho possível. Na Economia Verde a sustentabilidade do desenvolvimento integrado dos fatores ambientais, sociais e econômicos sinaliza a melhor oportunidade de investimento. As florestas funcionam como máquinas de mitigação dos Gases de Efeito Estufa – GEE e como pilares para adaptação às mudanças climáticas globais. A Economia Verde traz condições de competitividade que favorecem o cultivo e uso de produtos florestais, com vantagens comparativas significativas para a diversidade de essências, sabores, cores e qualidades das madeiras das florestas dos países em desenvolvimento, como as tropicais brasileiras.

A integração entre o consumo e o cultivo de espécies florestais nativas vai depender de técnicas silviculturais adequadas para a sociedade contemporânea. O que se observa é uma reação biológica das florestas aos tratamentos silviculturais, que determinam aumento da produtividade a curto e longo termo. A substituição da regeneração natural pela plantação de florestas aumenta a produtividade. Somados, os efeitos da prática silvicultural moderna elevam o volume da colheita. A utilização intensiva e extensiva das florestas, através de manejo florestal sustentável com base científica, aumenta o volume médio de espécies comerciais estocadas por unidade de área, e também aumenta os incrementos anuais. No mundo, cerca de ¾ das plantações florestais são com espécies nativas dos países. Países com importantes reservas florestais naturais, como o Canadá e a Rússia, coordenam ações em microrregiões de ocorrência de espécies, as Zonas Ecológicas de Ocorrência, ou Ecoregiões. Na América do Norte a proporção de espécies introduzidas é de menos de 5%, enquanto na América do Sul menos de 5% são de espécies locais. Somente na Oceania vamos ter uma proporção de pouco mais de 20% de espécies nativas plantadas, na África (60%), na Ásia (70%) e na Europa (90%). O cultivo das espécies florestais nativas está diretamente relacionado com o seu consumo, e uma estrutura logística e comercial para colocar as diferentes madeiras tropicais nos mercados precisa estar disponível. Enfrentando uma competição altamente qualificada das plantações florestais de espécies introduzidas, da agropecuária e da urbanização, o manejo de florestas de espécies nativas precisa ter condições ótimas de mercado para seus produtos. O Armazém Florestal é uma proposta de estabelecimento de uma rede de suporte ao desenvolvimento do cultivo e comércio de espécies madeireiras nativas, um mecanismo para integrar o cultivo de espécies florestais nativas à realidade da sociedade contemporânea, fortalecendo o mercado especializado em madeiras tropicais de alta qualidade.

A história mostra que o sucesso da presença das áreas com floresta na sociedade está relacionado com o consumo da madeira. Recentemente o valor da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos associados ao papel renovador da qualidade ambiental das florestas tem ganhado destaque, e pode ser incorporado como forma de adaptar a gestão florestal a contemporaneidade. A cadeira de História Florestal fornece subsídios técnicos para o profissional florestal analisar a administração florestal e sua modificação ao longo do tempo, demonstrando como esta adaptação foi percebida, entendida e trabalhada pela história. E hoje o fenômeno do aumento da composição de carbono atmosférico está trazendo um novo elemento de modificação para a ciência florestal incorporar nos debates. Se de um lado é necessário entender como as modificações no clima causaram impactos nas florestas no passado, do outro é preciso compreender as soluções que os manejadores, ou gestores, florestais desenvolveram e aplicaram naquelas situações. O relacionamento entre o homem, e a sociedade com as florestas sempre existiu, e o nível de dependência parece mais significativo no passado.

No Brasil o nome do país está relacionado com uma espécie florestal, retratando um pouco da nossa história, enquanto a prática da intervenção estatal marca a prática legislativa. A pré-história das nossas florestas inicia-se com o Pangea, a formação do Escudo das Guianas, o vulcanismo das férteis “terras roxas” e os refúgios de biodiversidade das glaciações e inter-glaciações, até o surgimento do homem há 60 mil anos atrás. A Amazônia brasileira tem sinais de uma intensa atividade agrícola há 12 mil anos. Estudos já demonstraram que as áreas com maior cultivo de biodiversidade na Amazônia são aquelas associadas à presença humana, indicando o papel fundamental do cultivo de espécies florestais nativas, voltadas para atender as demandas de consumo de madeira da sociedade contemporânea como um meio importante para a conservação da biodiversidade de espécies florestais nativas. Plantas de MDF, OSB e outros painéis, pallets, briquets e outros produtos florestais madeireiros podem ser produzidos a partir de outra grande variedade de essências florestais tropicais nativas. É o cultivo consciente e científico de espécies florestais nativas para a produção e consumo de madeira industrial que vai fazer a diferença na conservação da biodiversidade tropical para um mundo de 12 bilhões de habitantes, esperado para o século XXII. Com a quantidade de árvores de hoje isto representaria 215 árvores/habitante, que precisam ser úteis para garantir sua sobrevivência. Cada árvore conta.

 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Sebastião Kengen
04/02/2020 - 16:17
Prezado Eder,

Boa tarde.
Quero lhe parabenizar pelo seu artigo o qual considero de grande valia para se entender a interação da humanidade com os recursos florestais ao longo da história.
Abraços,
Sebastião Kengen

skengen@terra.com.br

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Conteúdos Relacionados à: Silvicultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada