dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     30/10/2020            
 
 
    
Meio Ambiente      
Projeto investiga o potencial do mercado de carbono dos seringais paulistas com o uso de geotecnologias
A Embrapa Monitoramento por Satélite aprovou o projeto de pesquisa: Sustentabilidade, competitividade e valoração de serviços ecossistêmicos da heveicultura em São Paulo com o uso de geotecnologia
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Sérgio Gomes Tôsto e Cristina Aparecida Gonçalves Rodrigues
12/11/2014

A borracha natural é um produto estratégico para o Brasil e o mundo. Projeções mostram que em 2020 o Brasil poderá produzir somente 250 mil toneladas diante de um consumo potencial de mais de 500 mil, ou seja, um déficit de 50% onerando a balança comercial do país. São Paulo é o maior produtor nacional com 53% da produção. A área cultivada paulista aumentou 81% entre 2000 e 2010, e pode vir a crescer mais, posto que a Lei Estadual nº 12.927 possibilita a recomposição de reserva legal em até 20% da área total com seringueira.

A Embrapa Monitoramento por Satélite aprovou o projeto de pesquisa “Sustentabilidade, competitividade e valoração de serviços ecossistêmicos da heveicultura em São Paulo com o uso de geotecnologia”, com a parceria de outras Unidades da Embrapa e parceiros externos, como Unicamp, Cati, Apta, UENF, UFF, CTBE, Universidade Estadual de Santa Cruz (BA) e Esalq/USP, além de representantes do setor heveícola como a Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha (APABOR) e a Associação Paulista de Produtores de Borracha do Noroeste Paulista (NOROBOR). No projeto, uma das atividades previstas é o estudo do potencial de mercado de carbono com o uso de geotecnologias com base no mecanismo de desenvolvimento limpo (MDL), propagado no Protocolo de Quioto.

O MDL, embora se apresente como uma oportunidade para, entre outros esforços, promover o sequestro de carbono através de atividades de reflorestamento, traz em seu bojo uma série de limitações, onde se destaca a falta de metodologias para sua implementação e monitoramento, o que resulta em pouco interesse por parte de potenciais empreendedores e investidores. Diante disto, uma das atividades propostas pelo projeto é incorporar um novo papel para as plantações através de uma forma rápida para estimar o carbono estocado na biomassa epígea de seringueiras, por meio de correlação entre variáveis espectrais de imagens de satélites e parâmetros biofísicos. Este novo modelo pode contribuir para a elaboração de projetos de sequestro de carbono, podendo assim, diversificar as fontes de receitas para os produtores rurais além de incentivar o plantio de novos seringais no Estado de São Paulo.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Silvicultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada