dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     30/10/2020            
 
 
    
Meio Ambiente      
Projeto analisa desempenho socioambiental da produção de eucalipto
Modelo adotado consiste de conjunto de 125 indicadores, organizados em 24 critérios descritores do desempenho socioambiental do estabelecimento rural
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Cristina Tordin, Embrapa Meio Ambiente
02/12/2014

Pesquisadores de várias instituições vem avaliando o desempenho socioambiental de propriedades produtoras de eucalipto para geração de lenha e carvão em 3 polos produtivos – Itapeva, em São Paulo - selecionada pela forte demanda de lenha para o setor de mineração e secagem de grãos; Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, com elevado consumo de lenha pelo setor fumageiro e a região central de Minas Gerais, que concentra grandes siderúrgicas consumidoras de carvão. O modelo de avaliação adotado foi o Sistema de Avaliação de Impactos de Inovações Tecnológicas Agropecuárias (Ambitec-Agro), que consiste de um conjunto de 125 indicadores, organizados em 24 critérios descritores do desempenho socioambiental do estabelecimento rural.

O pesquisador da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP) Cláudio Buschinelli explica que “cultivos de eucalipto com finalidades energéticas (lenha e carvão) tem sido estimulados pelo aumento na demanda por alternativas de fontes de energia no país. Tal atividade pode diminuir a pressão por madeira de florestas nativas para geração de energia”. Ele é o responsável pelas avaliações socioambientais no subprojeto “Avaliação socioambiental e econômica da cadeia produtiva de florestas energéticas e sua inserção na economia brasileira”, que faz parte do Projeto Florestas Energéticas da Embrapa.

Sete aspectos essenciais de análise compõem o Ambitec-Agro: Uso de insumos e recursos e Qualidade ambiental que compõem os critérios de Avaliação Ambiental; Respeito ao consumidor, Emprego, Renda, Saúde e Gestão/Administração, que compõem os critérios de Avaliação Socioeconômica.

Para as avaliações de campo, estão sendo selecionadas propriedades rurais de referência no cultivo de eucalipto em cada polo de produção, de maneira a formar um diagnóstico dos impactos socioambientais decorrentes desta atividade nos âmbitos da propriedade e de seu entorno, com o objetivo de identificar os pontos fortes e as debilidades do setor para subsidiar a elaboração de políticas públicas. Os resultados obtidos na região de Itapeva, evidenciaram importantes contribuições da inclusão do cultivo de eucalipto para o desempenho socioambiental da propriedade, com destaque para a grande maioria de resultados positivos entre os critérios analisados, indicando o rumo certo em direção ao desempenho socioambiental sustentável.

Impactos negativos foram identificados no aspecto Qualidade ambiental, devido a intensificação produtiva em uma área destinada originalmente à pecuária de corte, o que provocou o aumento do uso de insumos e recursos e uma piora na qualidade da água e do solo com a introdução do cultivo de eucalipto. Entretanto, estes indicadores negativos são relativos, pois ao longo do ciclo produtivo deste cultivo (cerca de 6 a 8 anos) os impactos negativos são distribuídos ao longo do tempo, havendo a possibilidade de serem minimizados.

Quanto aos aspectos socioeconômicos, foram observados ganhos importantes para todo o sistema produtivo com a inclusão do cultivo de eucalipto. O âmbito econômico foi o que mais se destacou, alavancado pelos critérios relativos à Comercialização e à Renda. A Condição de comercialização e a Geração de Renda foram as mais influenciadas, com aumento significativo atribuído à venda garantida da madeira ou lenha na região; outros critérios a destacar são a Dedicação e perfil do proprietário e Valor da propriedade, refletindo a profissionalização e empreendorismo com influencia direta no patrimônio familiar. Todos estes critérios também refletem impactos positivos na Capacitação e Geração de emprego com melhor qualificação e Diversidade de fontes de renda.

No âmbito social, menos destacado em relação ao econômico, deve ser mencionado o fato de a propriedade ser uma empresa familiar, cujo relacionamento com outras instituições foi ampliado após a inserção do cultivo de eucalipto, o que refletiu positivamente na assistência técnica recebida e nas atividades de associativismo. O critério mais favorecido foi o de Segurança Alimentar (dentro do aspecto Saúde), que é caracterizado como de grande impacto na análise, favorecido pelo aumento na garantia da produção após a introdução do eucalipto. Tudo isto favorecido pelo esforço de aprendizado do produtor, aumento do relacionamento institucional e retorno econômico satisfatório. Por outro lado, a introdução de uma nova atividade na propriedade trouxe como consequência, impactos negativos no critério Segurança e saúde ocupacional, representados pela maior exposição a agentes químicos e aos fatores inerentes ao trabalho com maquinaria pesada (tratores, caminhões, motosserras, dentre outros).

“Isso nos permite concluir que o desempenho socioambiental favorável, verificado para a produção de eucalipto, na fazenda analisada, contribui positivamente para o desenvolvimento local sustentável, em uma região na qual a diversificação produtiva se faz tão importante.

O pesquisador ressalta que ao final de cada avaliação é entregue um relatório técnico para o proprietário, para que ele tenha um documento orientador e com sugestões para redução dos impactos negativos identificados. É importante esse conhecimento dos pontos fracos e fortes para que ele possa analisar os problemas ambientais e buscar alternativas para a correção.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Silvicultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada