dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     21/11/2017            
 
 
    
Sanidade Vegetal      
Epagri desenvolve técnica de combate a doenças do alho
Técnica se baseia na criopreservação de tecido vegetal, que é a conservação de material biológico em ultra baixa temperatura
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Jéssica Trombini, Fapesc
25/10/2017

Um grupo de pesquisadores da Epagri desenvolveu uma técnica biotecnológica para eliminar viroses em plantio de alho, com a finalidade de obter sementes de alta qualidade genética e fitossanitária, evitando perda de produção e prejuízos econômicos. O projeto foi apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc) no programa Universal de 2014, que atendeu projetos de todas as áreas do conhecimento.

Por ser propagado vegetativamente, o alho facilita a disseminação de vírus que favorecem o aparecimento de doenças complexas, devido ao acúmulo de diferentes espécies virais numa mesma planta. Essa condição leva à diminuição da produtividade e da qualidade do alho comercial. Como efeito da infecção, a planta tem menor desenvolvimento, com redução do peso dos bulbos, diminuindo a longevidade quando são armazenados. De acordo com a pesquisa, na maioria das lavouras de alho do Brasil existe um complexo viral formado, principalmente, por três espécies de vírus, OYDV, LYSVe GCLV, que infectam as plantas de alho causando prejuízos aos produtores.

As taxas de eliminação dos três principais vírus com a técnica desenvolvida na Epagri, que alia a termoterapia à crioterapia, foram de 80% para o OYDV, 90% para o LYSV e de 100% para o vírus GCLV. Segundo Renato Luís Vieira, coordenador da pesquisa na estação experimental da Epagri de Caçador, essas taxas são consideradas satisfatórias, uma vez que são superiores às taxas obtidas com outros métodos de eliminação de vírus em plantas.

Como funciona
A técnica se baseia na criopreservação de tecido vegetal, que é a conservação de material biológico em ultra baixa temperatura, normalmente realizada em nitrogênio líquido a -196°C. “Essa técnica pode assegurar a conservação das plantas por longo período de tempo, uma vez que, nessas temperaturas, o metabolismo celular da planta fica paralisado”, explica o coordenador da pesquisa.

Na criopreservação de plantas de alho podem ser utilizadas sementes ou partes da planta em estágio inicial de crescimento, como gemas ou brotações. Após o período de conservação desejado, a planta é submetida a um processo lento de descongelamento e, depois de algumas etapas, as plantas podem ser cultivadas no ambiente a campo. O coordenador da pesquisa explica que “durante o processo de criopreservação de tecidos vegetais, as células infectadas com vírus, normalmente células com maior conteúdo de água, não resistem às baixas temperaturas, formando cristais e entrando em colapso por ocasião do descongelamento e, consequentemente, impedindo a sobrevivência de partículas de vírus presentes nestas células, sobrevivendo apenas as células sadias. Este processo denomina-se “crioterapia”.

Os pesquisadores identificaram que a técnica da criopreservação pode ser utilizada também para tratamento de plantas infectadas com vírus, mostrando mais eficácia ainda quando associada à termoterapia, que é uma técnica comum para eliminar viroses em plantas.

Etapas da Crioterapia
A técnica de crioterapia para eliminação de vírus em plantas consiste de cinco etapas: 1) congelamento do tecido vegetal infectado com vírus; 2) Descongelamento; 3) regeneração do tecido vegetal, em laboratório, após o descongelamento (esta etapa consiste no cultivo in vitro do tecido descongelado para a obtenção da semente sadia); 4) Transferência da semente obtida do cultivo in vitro para o solo, em casa de vegetação e; 5) Multiplicação massal de sementes livres de vírus em telados.

Os resultados, avanços e aplicações esperados a partir dessa pesquisa estão associados a vários fatores: o conhecimento dos processos de formação de sementes de alho in vitro; a regeneração das cultivares de alho, permitindo a expressão do verdadeiro potencial produtivo das mesmas e; a grande possibilidade de incremento médio de até 40% norendimento comercial das lavouras de alho.

“A partir do momento em que o produtor de alho passar a utilizar sementes obtidas com esse processo de tratamento para formação de suas lavouras, o ganho socioeconômico será enorme”, afirma o coordenador de projetos da Fapesc, Gilberto Montibeller, que acompanhou os resultados do estudo. O plantio de alho em Santa Catarina é baseado no trabalho da família, e o Estado participa com 22% da produção nacional,com 2,5 mil hectares cultivados.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Olericultura
Palavras-chave

 
22/11/2017
Curso de Metodologias para Determinação da atividade microbiana do Solo
Londrina - PR
14/03/2018
V Simpósio de Produção Animal e Recursos Hídricos - V SPARH
São Carlos - SP

21/11/2017
Curso de processamento de mandioca
Cruz das Almas - BA

 
 
Palavra-chave
Busca Avançada