dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     22/09/2019            
 
 
    
Manejo Pecuário    
Cartilha atualiza técnicas de criação de tambaqui
O tambaqui é o peixe amazônico mais criado no Brasil
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Ana Laura Lima, Embrapa Amazônia Oriental
18/12/2018

A Embrapa acaba de publicar e disponibilizar para download gratuito a cartilha Criação de Tambaquis, fruto das demandas de produtores que buscam informações seguras e atualizadas sobre a criação desse peixe, que é a espécie nativa mais produzida no Brasil, com uma produção de 90 mil toneladas em 2017, segundo o IBGE.

O estado do Pará é o quarto produtor brasileiro de tambaqui, com 8 mil toneladas em 2017 (IBGE), ficando atrás de Rondônia (30 mil ton/ano), Maranhão (10 mil ton/ano) e Roraima (9 mil ton/ano). É um mercado que movimentou cerca de 60 milhões de reais no estado no ano passado.

A piscicultura Estrela Dalva, localizada em Castanhal, nordeste do Pará, trabalha com a produção e venda de alevinos e engorda de seis espécies nativas de peixes. Com o tambaqui, segundo o piscicultor Lenildo Araújo da Silva, responsável técnico pela empresa, a produção no local é de 3 a 4 milhões de alevinos mensalmente. “Nossos alevinos são vendidos principalmente para produtores do sudeste do Pará”, conta.  Ele diz ainda que essa região concentra a maior parte da produção estadual do tambaqui, reunido cerca de 200 piscicultores.

Para a bióloga Roselany Corrêa, pesquisadora da Embrapa Amazônia Oriental e uma das autoras da cartilha, a rusticidade do tambaqui favorece a criação em sistemas semi-intensivos e intensivos, mas “para o sucesso da criação desta espécie, é fundamental atentar para vários aspectos relacionados ao manejo, sobretudo o alimentar”, ressalta a especialista.

"Criação de tambaquis" tem como autores os biólogos Roselany Corrêa, Alexandra Sousa e Heitor Martins Júnior, pesquisadores da Embrapa Amazônia Oriental.

Desafios da produção
Como o tambaqui é criado em diversos sistemas (de extensivos a intensivos), a duração do ciclo depende de vários fatores, como a quantidade de peixes nos tanques, a qualidade da água, a alimentação do animal, entre outros. Esses temas são abordados em detalhes na cartilha da Embrapa. “Observando todos os aspectos da criação, o ciclo de produção pode durar de 8 a 12 meses, para despescar tambaquis de 1,0 kg a 2,0 kg, e de 12 a 18 meses, para despescar tambaquis com mais de 2,0 kg”, explica Roselany.

“A alimentação do tambaqui é hoje o principal desafio do produtor”, afirma o piscicultor Lenildo Silva. Ele conta que as melhores rações para esse animal, que é exigente em proteína, são produzidas fora do estado e o custo de obtenção delas pesa no bolso do produtor. “A ração tem um impacto econômico de 80% no custo total de produção do tambaqui em cativeiro”, afirma.

Roselany Correa explica que é fundamental saber estimar a quantidade de ração dada aos peixes ao longo do ciclo de criação e isso envolve a biometria do animal, que é a verificação do ganho de peso dele mensalmente. “A ração é um insumo caro e o desperdício reflete em perda econômica e deterioração da qualidade de água”, alerta a especialista.

Orientações simples e objetivas

A cartilha mostra em detalhes as duas formas básicas de alimentação do tambaqui: seja oferecendo ração até a saciedade aparente do animal ou fixando a quantidade a ser oferecida de acordo com o crescimento dele.

“Na alimentação livre, o tratador deve observar o comportamento do animal. O ideal é que o consumo do alimento seja feito em no máximo 15 minutos”, explica Roselany. As sobras de ração no tanque devem ser retiradas, pois o acúmulo delas contribui para a produção de amônia tóxica, o que prejudica os animais.

Mas é na alimentação fixa que os resultados da pesquisa melhoram a produção do peixe e contribuem para a otimização dos recursos. “A partir das observações e trabalhos de campo, criamos uma tabela alimentar onde as estimativas já estão todas calculadas por faixa de peso e por fase do ciclo de criação”, explica.

A nova cartilha traz as tabelas de alimentação com os valores estipulados, mas também mostra como fazer o cálculo para uma oferta de alimento sem desperdício. “No momento em que o produtor aplica o método, ele tem condições de calcular a quantidade de ração que vai usar diariamente no tanque. Isso evita perda econômica e tem um impacto direto na qualidade da água”, finaliza a pesquisadora.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Piscicultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada