dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     22/09/2019            
 
 
    
Peixes      
Uso racional da água em entrepostos de pescado
Projeto financiado pelo CNPq e MPA e coordenado pela Embrapa Pesca e Aquicultura pretende gerar boas práticas estudando entrepostos de cinco estados
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Fábio Reynol, Embrapa Pesca e Aquicultura
16/04/2013

Problemas ambientais, sanitários e econômicos estão diretamente ligados ao uso da água no processamento de pescado. Projeto financiado pelo CNPq e MPA e coordenado pela Embrapa Pesca e Aquicultura pretende gerar boas práticas estudando entrepostos de cinco estados.

A contaminação de mananciais, a proliferação de doenças como a salmonelose e até a margem de lucro são questões relacionadas ao uso da água em entrepostos que processam pescados. A importância da água nesse ramo industrial levou à criação do projeto de pesquisa “Gerenciamento hídrico aplicado a entrepostos de pescado” coordenado pela Embrapa com a participação de diversos parceiros e financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pelo Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA).

Projeto pretende otimizar uso do recurso durante o processamento do pescado para evitar problemas ambientais, sanitários e econômicos

Os participantes do projeto realizaram a primeira reunião nos dias 11 e 12 de abril na Universidade Federal do Tocantins (UFT), em Palmas. A coordenadora do projeto, Daniele de Bem Luiz, da Embrapa Pesca e Aquicultura, informou que o encontro teve como objetivo apresentar o grupo, estabelecer as diretrizes e elaborar um cronograma de trabalho em conjunto com todos os participantes.

Com a duração prevista de três anos, o projeto foi iniciado em dezembro de 2012 receberá cerca de R$1 milhão em recursos e envolverá empresas e instituições de pesquisa de cinco estados: Mato Grosso, Santa Catarina, São Paulo, Rio de Janeiro e Tocantins. Participam pesquisadores da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP), Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Federal do Tocantins (UFT) e de quatro Unidades da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Embrapa Agroindústria de Alimentos, Embrapa Meio Norte, Embrapa Pantanal e Embrapa Pesca e Aquicultura.

O setor industrial também faz parte do projeto com representantes dos frigoríficos Piracema, do Tocantins, e Gomes da Costa e Calombé, ambos do Rio de Janeiro. O Ministério da Pesca e Aquicultura colabora fornecendo informações sobre a produção em cada estado. “Precisamos trabalhar com as espécies de peixe mais processadas em cada estado e quantificar a produção de cada região”, relatou Danielle.

Um bom gerenciamento hídrico, de acordo com a especialista, pode erradicar problemas sanitários como a salmonelose e outras doenças transmitidas pela água durante o processamento. O cuidado com a água ainda evita problemas ambientais ao mapear todos os efluentes gerados no processamento. O balanço hídrico traça o caminho da água e lista os efluentes de cada setor identificando os pontos de maior consumo.

Um dos objetivos do projeto é verificar o potencial de minimização do consumo de água, o que pode gerar uma economia considerável às indústrias. “A água de chuva e água de degelo das câmaras frias poderiam ser aproveitadas em circuitos que não exigem potabilidade como as linhas de incêndio, por exemplo”, sugeriu Danielle. Outro ponto citado foi a prática da regulagem periódica de equipamentos e de treinamento constante dos operadores: “Um simples ajuste de pressão nas máquinas pode resultar numa grande economia no fim de um mês”, apontou.

Os estudos deverão gerar um conhecimento valioso para a indústria de pescado, a determinação da quantidade mínima de água necessária para cada etapa de processamento e por quilo de peixe processado. Com esses parâmetros, as empresas poderão balizar suas produções e identificar perdas por desperdício de água. Serão estudadas também tecnologias que substituem o uso da água como a evisceração a vácuo, aplicável a algumas espécies de peixes.

Técnicas de produção mais limpa serão testadas como a esterilização da água por ozônio comparada à cloração. Do mesmo modo, a limpeza por aspersão será comparada à técnica de imersão para as diferentes espécies a serem estudadas. Na área ambiental, serão quantificados e qualificados os efluentes gerados em cada etapa do processamento com análises físico-químicas e microbiológicas. Para isso, o projeto prevê a montagem de um laboratório itinerante para a análise in loco das amostras.

“O trabalho deverá resultar num modelo de gerenciamento hídrico aplicável a entrepostos de todos os portes”, comunicou Danielle Luiz. O chefe adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Pesca e Aquicultura, Eric Routledge, acredita que essa pesquisa impulsionará outros trabalhos que ajudarão a estruturar o setor. “O projeto deverá gerar bons resultados que trarão novos recursos para responder as perguntas que este trabalho levantará”, disse Routledge.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ivan Vieura dos Santos
17/04/2013 16:50:00
Difícil ver objetivos claros e úteis que justifiquem o gasto público desse projeto, pelo menos essa matéria é muito confusa.

Por exemplo 1)"A água de chuva e água de degelo das câmaras frias poderiam ser aproveitadas em circuitos que não exigem potabilidade como as linhas de incêndio, por exemplo"; 2)"Um simples ajuste de pressão nas máquinas pode resultar numa grande economia no fim de um mês"...

Pra saber essas obviedades precisa gastar R$ um milhão e reunir tantas "celebridades" ou essas insituições e pessoas estão "ociosas".

Alex Augusto Gonçalves
11/05/2013 11:00:37
Estou iniciando um projeto de pesquisa apoiado pelo CNPq (Universal B) com ozônio e seria interessante termos parceria nesse projeto para viabilizar a esterilidade dessa água e inocuidade quando aplicado no pescado...

Dr. Alex Augusto Gonçalves
Professor de Tecnologia do Pescado
Chefe do LAPESC
UFERSA - Mossoró / RN
(84) 9171-3135
http://lattes.cnpq.br/8707597761742642

Para comentar
esta matéria
clique aqui
2 comentários

Conteúdos Relacionados à: Piscicultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada