dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     22/10/2020            
 
 
    
Agronegócio      
Rochagem: alternativa aos insumos tradicionais
Derivados de rochas brasileiras aumentam a fertilidade do solo e podem acabar com a dependência dos insumos importados
Ouça a entrevista Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Juliana Royo
28/06/2010

Cerca de 70% dos insumos utilizados no Brasil para corrigir deficiências do solo e aumentar a fertilidade são importados. Os brasileiros não conseguem competir com as indústrias estrangeiras dos insumos convencionais, o que faz com que o preço destes produtos seja bem alto. Dezenas de pesquisadores brasileiros estão estudando formas alternativas de substituir estes insumos que são importados para baratear o custo dos agricultores. A rochagem é uma destas alternativas. O principal benefício desta matéria-prima seria a sua abundância em território nacional. Rochas que podem virar produtos agrícolas são encontradas em todas as regiões do Brasil em grande quantidade e já existem indústrias suficientes para transformar as rochas em insumos.

— O Brasil tem grandes depósitos de rocha que têm potencial como uso pra este fim. Entretanto, o País ainda usa de forma mais geral as fontes convencionais. A primeira questão é a cultural, que a gente tem que desenvolver para fazer esta substituição gradativa do uso das fontes convencionais pelas alternativas. O Brasil já tem várias empresas que produzem pó de rocha, mas não temos uma normatização. Um dos temas discutidos no I Congresso Brasileiro de Rochagem foi justamente esse, a normatização do uso da produção e do uso destas rochas como fontes de nutrientes — diz o pesquisador Éder Martins, da Embrapa Cerrados e autor do livro Anais do I Congresso Brasileiro de Rochagem.

As principais rochas usadas neste processo, segundo o pesquisador, seriam principalmente as ígneas, algumas rochas metamórficas e algumas rochas sedimentares, especialmente aquelas que são ricas em nutrientes como potássio, cálcio e magnésio. Martins diz que o Brasil é o principal país, na pesquisa, que estuda rochas como fontes de nutrientes, justamente porque o País é abundante nestas rochas e pode se tornar um dos principais a usar esta tecnologia alternativa para os insumos agrícolas.

— A pesquisa é extremamente importante por causa da nossa dependência de fontes importadas. O Brasil é extremamente dependente destes insumos agrícolas e, portanto, a rochagem é uma alternativa a estes insumos convencionais. A finalidade é justamente validar e estudar o efeito e as consequências do uso destas rochas para a fertilidade do solo e a produção agrícola. O pó de rocha pode ser usado especialmente como fontes de nutrientes, ajuda na correção de acidez do solo e também é um excelente condicionador, em que aumenta a fertilidade natural do solo e consegue guardar os nutrientes por mais tempo no solo. Estas novas fontes são mais sustentáveis, mais adaptadas às condições tropicais — explica.

Clique aqui, ouça a íntegra da entrevista concedida com exclusividade ao Jornal Dia de Campo e saiba mais detalhes da tecnologia.
Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Roni Antonio Garcia da Silva
31/08/2012 21:18:16
Esta reportagem é muito elucidativa, mas faltam mais detalhes sobre esta nova tecnologia, pois não é citado a composição do pó de rocha recomendado.
O grande problema dos solos brasileiros é a falta de (P) fósforo. Pelo que me consta temos uma jazida de fósforo em Araxá-MG.
Abraços.
Roni Garcia

Herman
24/03/2014 15:07:59
Roni vide ...

http://basaltoagricola.blogspot.com.br/

Att.
Herman

Para comentar
esta matéria
clique aqui
2 comentários
Integração reduz impactos ambientais
Além de emitir menos gás carbônico, lavouras, pastos e florestas integrados minimizam problemas com erosão e degradação do solo
Inseticida combate broca-da-erva-mate sem agredir ambiente
Bovemax, que deve chegar ao mercado este ano, utiliza apenas um óleo vegetal e um fungo que causa doença ao inseto da cultura
Pimenta bode: cheiro forte, frutos uniformes e ideal para conserva
Embrapa Hortaliças vai lançar pimenta em junho, mas sementes só chegam ao mercado para os produtores no ano que vem
Ração de galinhas poedeiras proporciona maior lucratividade na venda de ovos
Diminuição do nível de fósforo reduz custos da mistura
Dica: bê-a-bá da balança rodoviária
O emprego destes equipamentos reduz os custos operacionais e proporcionam agilidade. Para garantir pesagens seguras, no entanto, é importante estar munido de algumas informações.
O uso de maturadores na cultura do café
Alternativa de produto tem o objetivo de, com sua aplicação foliar, promover maior uniformidade da maturação e também a antecipação da colheita de 15 a 20 dias.
Produção de Híbridos na Piscicultura
Tecnologias como a indução hormonal e reprodução artificial, tornam a produção de peixes híbridos uma prática relativamente simples
A pecuária e os gases de efeito estufa
A qualidade da dieta do animal tem forte influência sobre a emissão de metano e é essa uma das principais linhas de pesquisa visando mitigar a emissão de GEE
A maior oferta de carne bovina no mundo depende de nós
Os números recentes da pecuária comprovam que a atividade responde rapidamente aos investimentos
O descaso das autoridades ocasionou prejuízos aos produtores de feijão
O que os produtores desejam são regras claras. Se não há recursos para cumprir as promessas, não as façam. Não induzam a pesados prejuízos os sofridos produtores brasileiros
Nova cultivar de feijão rende de quatro a cinco mil quilos por hectare
Indicada para produtores de PR e SP, a IPR Tuiuiú deve chegar ao mercado em 2011
Embrapa investe em tecnologias sustentáveis para combater doenças na lavoura
A expectativa é que dentro de dois anos novos produtos não tóxicos estejam disponíveis
Fitorreguladores equilibram desenvolvimento vegetativo e reprodutivo da planta
Substância reguladora impede que algodoeiro cresça demais, reduzindo os custos de produção em 4%
Inseticidas usam bactérias para combater insetos nas plantações
Produto não agride o meio ambiente, é 100% eficaz e pode ser usado em diversos tipos de cultura

Conteúdos Relacionados à: Agronegócio
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada