dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     27/04/2017            
 
 
    

Várias espécies de lagartas danificam as plantas de milho, causando prejuízos aos produtores rurais. O manejo das pragas do milho preconiza o uso racional dos métodos de controle, considerando o custo, o benefício e o impacto social e ambiental. Nesse sentido, o controle biológico das lagartas pela ação de inimigos naturais consiste em uma alternativa a ser priorizada para reduzir os danos dessas pragas nas lavouras.

A lagarta-do-cartucho destaca-se como a principal praga da cultura do milho no Brasil, porque corta plântulas logo após a emergência, danifica as folhas do cartucho das plantas e incide nas espigas, reduzindo a produtividade das lavouras e a qualidade dos grãos. Outras espécies de lagartas que frequentemente causam danos nas lavouras de milho são: a lagarta-rosca, a broca-do-colo, a broca-da-cana e a lagarta-da-espiga.
 
Essas pragas normalmente são controladas com a aplicação de inseticidas ou utilizando plantas transgênicas. Muitos produtores rurais desconhecem a existência de inimigos naturais que controlam essas lagartas, caso de algumas espécies de moscas e, principalmente, de pequenas vespinhas parasitóides. Esses insetos depositam os seus ovos nos ovos das mariposas ou nas lagartas, dos quais eclodem vermes que consomem os ovos ou as lagartas, resultando na emergência de outras moscas ou vespinhas, que procuram novos hospedeiros fazer posturas.
 
Esses agentes de controle biológico ocorrem na natureza, mas algumas espécies podem ser criadas em laboratório para serem liberadas no campo, aumentando o nível de controle das pragas. Essa estratégia deve iniciar pelo levantamento das espécies de parasitóides que incidem naturalmente na região, identificando aquelas que ocorrem em maior número, pois se caracterizam como as mais adaptadas ao ambiente, resultando em melhores níveis de controle das pragas.
 
A criação de vespinhas parasitóides em laboratório normalmente é realizada utilizando espécies que põem grande número de ovos, caso da traça-das-farinhas, o que permite a produção massal desses inimigos naturais, os quais são destinados aos agricultores interessados, para que liberem em suas lavouras.
 
Seguindo esta metodologia, está sendo iniciada no Laboratório de Fitossanidade do Centro de Pesquisas para a Agricultura Familiar (Epagri/Cepaf, Chapecó, SC) uma criação de vespinhas parasitóides do gênero Trichogramma, que são eficientes no controle das principais espécies de lagartas que incidem na cultura do milho, mas que também atuam sobre as lagartas que atacam a soja, feijão, tomate, pepino, repolho e outras culturas. Por isso, essas vespinhas parasitóides, além de controlar as pragas nas lavouras, também poderão ser liberadas em estufas destinadas à produção de hortaliças, dispensando a necessidade de aplicar inseticidas.
  
A liberação de vespinhas parasitóides para controlar naturalmente as pragas caracteriza-se como sendo mais uma alternativa de manejo de pragas, encaixando-se no contexto moderno de práticas agrícolas sustentáveis, pois não causa impacto ambiental e proporciona benefícios aos produtores rurais e aos consumidores.
 

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
ana paula
03/05/2011 - 20:59
nÒo Ú muito boa a matÚria, ela nÒo me ajudou a fazer a minha pesquisa

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário

Agricultura Familiar - Artigos já Publicados

O uso dos dejetos de suínos como fertilizante
29/04/2013

Momento de reorganizar metas no agronegócio do leite
08/02/2012

A piscicultura nas propriedades familiares de Santa Catarina
20/07/2011

Erosão do solo: exemplo no campo e catástrofes nas cidades - Parte II
06/05/2011

Erosão do solo: exemplo no campo e catástrofes nas cidades - Parte I
04/03/2011

Modelo matemático para avaliar impactos do uso e ocupação do solo nos recursos hídricos em santa catarina
20/12/2010

Integração Lavoura-Pecuária: oportunidade ou novos problemas velhos?
11/11/2010

Variedade de milho para agricultura familiar
05/08/2010

Kit semeadura de adubos verdes: distribuidor de sementes de adubos verdes acoplado à colhedora de milho
01/07/2010

Mercados de produtos coloniais da região oeste de Santa Catarina
14/04/2010

A Agricultura Familiar precisa dos jovens
12/03/2010

Importância da Agricultura Familiar II
26/02/2010

Importância da Agricultura Familiar I
09/01/2010

Conteúdos Relacionados à: Controle biológico
Palavras-chave

 
18/04/2017
IV Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-estar Animal
Porto Alegre - RS
01/05/2017
Agrishow 2017
Ribeirão Preto - SP
16/05/2017
AgroBrasília 2017
Brasília - DF
29/08/2017
11º Congresso Brasileiro do Algodão
Maceió - AL


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada