dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     29/10/2020            
 
 
    
Solo e Clima      
Solo: fertilidade rima com produtividade
Erros ligados à manutenção da fertilidade do solo ocorrem logo no início do processo produtivo e seus efeitos refletem-se em todas as fases da atividade
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Marcelo Pimentel
12/01/2016

Ciente do fato de que o solo é a base para qualquer atividade agrícola e, mesmo assim, alguns princípios elementares relativos à manutenção de sua fertilidade não são devidamente considerados, Ronaldo José Pucci, presidente da Coopaceres, Cooperativa Agroindustrial Ceres, de Ponta Porã, MS, há dois anos procurou o setor de Transferência de Tecnologias da Embrapa Agropecuária Oeste, em Dourados, MS, para capacitar técnicos agrícolas e agrônomos que atendem aos agricultores familiares do Assentamento Itamarati na área de fertilidade do solo. A ajuda veio sob a forma de um curso de capacitação dado pelo pesquisador Carlos Hissao Kurihara, daquela unidade da Embrapa.

A preocupação de Pucci chama a atenção para um fato que faz parte de uma realidade presente em pequenas e até em grandes propriedades. A falta de preocupação com a ausência de matéria orgânica, as amostragens de solo mal feitas e as falhas na interpretação dos boletins de análise de solo compõem, de modo comum, um grupo de fatores que limita a eficiência em lavouras e pastagens. Erros ligados à manutenção da fertilidade do solo ocorrem logo no início de todo o processo produtivo e, invariavelmente, seus efeitos refletem-se em todas as fases da atividade, comprometendo o resultado final.

De acordo com Kurihara, o agricultor familiar, em geral, tem apenas noções básicas sobre a importância da fertilidade do solo. Assim, sem um acompanhamento da assistência técnica, o agricultor pode estar adubando sua lavoura ou pastagem com tipo e quantidade inadequada de fertilizante, o que certamente afetará a produtividade das culturas.
“Sem o acompanhamento, o agricultor aduba uma área que possui um problema de acidez do solo, o que pode comprometer inclusive a eficiência da adubação, principalmente da adubação fosfatada. Se a gente considerar que o adubo é responsável por cerca de 20 a 25% do custo de produção de uma lavoura, o uso inadequado de adubo pode se tornar uma grande fonte de desperdício de recurso financeiro”, destaca.

Falhas
No dia a dia das propriedades, os erros mais comuns segundo Kurihara são:
- Amostragem de solo mal feita, o que pode prejudicar toda a avaliação posterior da fertilidade do solo, e a consequente recomendação de adubação;
- Erro na interpretação do boletim de análise de solo, devido à falta de conhecimento sobre as diferenças existentes nos resultados quando se encaminha as amostras de solo para laboratórios de outros estados. Existem métodos de análise que resultam em valores diferentes daqueles que seriam obtidos se a amostra de solo fosse analisada em um laboratório da região onde está localizada a propriedade rural, e que por esta razão, exigem cuidado na interpretação dos resultados. Um exemplo de equívoco muito comum refere-se à análise de fósforo no solo. Em vários estados, utiliza-se o extrator Mehlich-1. Já em São Paulo, o teor de fósforo no solo é determinado com o extrator resina. Se uma mesma amostra de solo for encaminhada para um laboratório que adota o método Mehlich-1 e para outro que adota a resina, certamente os teores de fósforo serão bastante diferentes. E não existe um fator de correção para transformar o teor de fósforo analisado pelo método Mehlich em teor analisado pela Resina. Por isso, é importante saber interpretar o boletim de análise do solo.
- Por fim, uma falha bastante comum no manejo da fertilidade do solo é a ausência de preocupação, por parte do agricultor, em relação ao teor de matéria orgânica do solo. O agricultor deve adotar um sistema de manejo que permita aumentar o teor de matéria orgânica, pois ela permite a melhoria nas propriedades químicas, físicas e biológicas do solo. Quando se fala em sistema de manejo adequado, está se falando em Sistema Plantio Direto.

Perdas
Para o pesquisador, se o solo tiver baixa fertilidade e a adubação for inadequada, tanto a cultura anual como a pastagem terão o crescimento prejudicado e, certamente, a produtividade será menor do que se teria em condições de solo corrigido. Por outro lado, se o solo tiver boa fertilidade, e o seu manejo for adequado, o agricultor pode, eventualmente, diminuir a quantidade de adubo a ser aplicada, sem prejuízos na produtividade da cultura.

“Normalmente, esta prática é adotada em anos onde o custo do adubo é muito alto e/ou se a expectativa do preço do produto final for desfavorável. Nestas condições, o agricultor tende a reduzir o investimento na lavoura, para diminuir o custo de produção. Contudo, esta decisão deve ser bastante criteriosa, e não uma prática contínua, para que não haja o empobrecimento do solo”.

Critérios
A avaliação da fertilidade do solo passa em primeiro lugar, de acordo com o pesquisador, por uma amostragem de solo bem feita. Isto quer dizer que o agricultor deve dividir sua propriedade, independente do seu tamanho, em talhões homogêneos quanto à topografia, histórico da área, tipo de vegetação, entre outros fatores. Em cada talhão, deve-se retirar pelo menos quinze amostras simples em um balde limpo, misturar e formar uma amostra composta. Dessa amostra composta, o agricultor deve retirar uma porção de cerca de 500 gramas, colocar num saco plástico limpo e encaminhar ao laboratório, para fazer a análise química.

“É importante lembrar que a coleta das amostras simples deve respeitar a profundidade de amostragem mais adequada, que é de 0 a 20 cm para o plantio convencional e de 0 a 10 e de 10 a 20 cm para o plantio direto”, observa.

Custos
A respeito dos custos relativos à manutenção da boa fertilidade do solo, ele explica que, tirando o valor da assistência técnica ou da consultoria agronômica, o agricultor irá investir algo em torno de R$ 70,00 em cada análise de solo para fazer a caracterização química do talhão. Assim, o custo do monitoramento da fertilidade do solo vai depender do número de talhões em que a propriedade rural for dividida. No entanto, o pesquisador lembra que não é necessário efetuar a análise de solo todo ano.

Já para os agricultores que possuem um nível tecnológico maior, e que podem investir um pouco mais no monitoramento da fertilidade do solo, pode-se adotar, ainda, a diagnose foliar, que consiste na análise química de amostras de folhas de uma das culturas cultivadas no talhão, para a avaliação do estado nutricional das plantas.

“Esta diagnose não substitui a análise do solo, e sim complementa as informações fornecidas por ela. Caso o agricultor resolva refinar o monitoramento da fertilidade do solo com esta ferramenta, haverá um custo adicional de cerca de R$ 60,00 por talhão. Nesse aspecto, chamamos a atenção do agricultor para a importância de se encaminhar as amostras de solo ou de folha para laboratórios que participam de um programa de controle de qualidade, para se garantir de que os resultados da análise química tenham um grau de confiança satisfatório. Todos os laboratórios que participam deste controle de qualidade, e tenham sido aprovados nas avaliações realizadas periodicamente, possuem um selo que certifica a empresa. Então, basta ao agricultor exigir do laboratório de análise de solo e planta, a apresentação do selo do programa de controle de qualidade”.

Amostragens bem feitas são determinantes para a adoção de medidas corretas à manutenção da boa fertilidade do solo

Investir na fertilidade do solo, no entanto, nem sempre significa necessariamente o desembolso de muito dinheiro. Em alguns casos soluções simples e baratas podem ajudar. Kurihara explica que em condições de solos de baixa fertilidade, não há outra saída senão investir pesado na aquisição de corretivos de acidez do solo e fertilizantes.

“O custo desta prática é elevado, mas isto deve ser encarado como um investimento, pois tornará a terra produtiva dali para frente, permitindo ao agricultor obter boas produtividades, se os outros fatores de produção assim o permitirem”.

Por outro lado, segundo ele, se o talhão já apresenta pelo menos teores médios de nutrientes, a manutenção desta fertilidade pode ser conseguida com a adequada interpretação da análise de solo, com a definição de fontes de adubos mais eficientes e de menor custo e com a aplicação do adubo de forma adequada.

Como exemplos de técnicas de baixo custo, o agricultor pode substituir a adubação corretiva total pela adubação corretiva gradual. No primeiro caso, seria necessária a aplicação de uma dose bastante elevada de fósforo, que seria incorporada na camada de 0 a 20 cm, para a correção de toda a camada arável. No segundo caso, da adubação corretiva gradual, o agricultor aplica uma quantidade de fósforo um pouco maior do que aquela indicada para a adubação de manutenção, sempre na linha de semeadura. A correção da fertilidade do solo demora um tempo maior, porém, haverá muito maior eficiência no aproveitamento do adubo aplicado.

“Também pode ser considerado como técnica de baixo custo, as práticas que permitam aumentar o teor de matéria orgânica no solo. A matéria orgânica tem um papel muito importante na estruturação física do solo, no aumento da atividade biológica e no aumento da eficiência de aproveitamento de nutrientes, principalmente o fósforo. E trabalhos conduzidos na Embrapa Agropecuária Oeste têm demonstrado que, para as condições de solo e clima da região Central do Brasil, a melhor maneira de se aumentar o teor de matéria orgânica é através da consorciação de milho com Brachiaria ruziziensis”, conclui.

Extensão
Um dos pontos mais importantes passados pelo pesquisador durante o curso em Ponta Porã é que o extensionista deve ter jogo de cintura e criatividade suficiente para indicar a adubação mais adequada possível para o agricultor, dentro do contexto da sua realidade econômica e da disponibilidade de produtos no mercado.
 
“Muitas vezes, ao interpretar a análise de solo, o técnico chega à conclusão de que necessita de um adubo formulado cuja composição não existe na sua região. Então, o técnico pode partir para o preparo da mistura de fontes simples na própria fazenda, e ter o seu adubo formulado. Contudo, muitas vezes, esta mistura na fazenda é dificultada por uma série de fatores. Então, cabe ao extensionista definir pela viabilidade de se parcelar a adubação, colocando parte dos nutrientes em cobertura. Ou então, aplicando-se um ou mais dos nutrientes a lanço, em superfície, antes da semeadura”.

Para mais informações, a Embrapa Agropecuária Oeste disponibiliza o Serviço de Atendimento ao Cidadão – SAC, cujo e-mail é sac@cpao.embrapa.br. Kurihara recomenda ainda que a procura pelos escritórios das empresas estaduais de extensão rural.

Reportagem exclusiva originalmente publicada em 13/09/2012

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
LUIZ ANTONIO DE SOUZA MAGNO
17/09/2012 - 08:41
Muito importante esta observação, mas devemos salientar que seria muito mais interessante se os agentes financeiros devidamente assistidos por orgãos de assistencia técnica implementasse um intensivo programa de melhoria da fertilização de nossos solos com prática financiadas como: Correção de acidez, adição de materia orgânica e fertilização quimica, tudo isso bem assistidos num extenso programa de propriedade em propriedade. Não seria necessário ocupar novas terras e sim intensificar o aproveitamento das terras atualmente utilizadas.

cleiciomar
17/09/2012 - 10:00
Vamos cobrar incentivos para corrigir o solo.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
2 comentários

Conteúdos Relacionados à: Fertilidade
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada