dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     23/10/2020            
 
 
    
Nutrição Vegetal      
Influência do nitrogênio na qualidade do trigo
Nos últimos anos tem aumentado a quantidade de nitrogênio aplicado nas lavouras de grãos, principalmente em função da capitalização do produtor e da divulgação de supostos ganhos com o maior investimento em fertilizantes
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Joseani M. Antunes, Embrapa Trigo
29/09/2014

O nitrogênio (N) é o nutriente absorvido em maiores quantidades pelas plantas, atuando na fotossíntese e na formação de proteínas nos grãos. No trigo, o nitrogênio tem estreita relação com o potencial produtivo, ou seja, está comprovado pela pesquisa que o investimento em adubação nitrogenada pode resultar em maior rendimento de grãos. Na recomendação do Manual de Adubação e de Calagem do RS e SC o indicado é dividir a adubação nitrogenada em duas partes: 15 a 20 kg de N/ha (quilos de nitrogênio por hectare) na linha de semeadura; e o restante em cobertura no afilhamento/alongamento. "Estas são as duas fases em que a planta demanda mais energia, na formação da área foliar e no enchimento dos grãos", explica o pesquisador da Embrapa Trigo Fabiano Daniel De Bona, lembrando que não há uma medida exata: "Para saber o quanto deve ser aplicado na lavoura é preciso fazer análise de solo, avaliando a cultura antecessora e a expectativa de rendimento que está se buscando". Estudos da Embrapa Trigo indicam que o limite econômico para N em trigo está entre 80 e 100 kg de N/ha, quando, geralmente, a adubação já não impacta mais no rendimento de grãos de forma a assegurar o investimento.

Qualidade e N
Na relação entre qualidade e nitrogênio, ainda há muita divergência entre os obtentores (empresas que desenvolvem as cultivares). Evidências em experimentos da pesquisa sugerem que ao se aportar N ao solo na forma de fertilizante, em qualquer estádio da planta, a força de glúten (W) aumenta levemente, em razão de pequeno aumento do teor de proteínas (glutenina e gliadina) no grão. "O desafio é fazer com que o grão apresente maiores teores destes componentes como consequência da aplicação de N ao solo e, internamente, induzir a planta a converter esse N em compostos que melhorem a capacidade de panificação da farinha", alerta a pesquisadora da Embrapa Trigo Eliana Guarienti, esclarecendo que "não basta a planta ter acumulado muito N e formar um teor satisfatório de proteína no grão se uma parte mínima desta não for na forma de glutenina e gliadina".

Uma prática que tem sido utilizada nas lavouras de trigo da Região Sul é a realização de uma terceira dose de N no espigamento do trigo. O objetivo do reforço na adubação nitrogenada é aumentar o teor de proteínas dos grãos, prática empregada em muitos países onde a proteína estabelece o critério de comercialização. No Brasil, o principal critério de classificação comercial do trigo é a força de glúten (W), que nem sempre apresenta relação com o teor de proteínas.

De acordo com o pesquisador da Embrapa Trigo, João Leonardo Pires, trabalhos recentes realizados pela Embrapa, no RS e PR, evidenciaram não haver vantagem, em termos de força de glúten, da suplementação de N na época do espigamento em relação à aplicação no período inicial de crescimento da planta. "Para as doses mais elevadas de N pode-se optar pelo fracionamento em duas aplicações em cobertura: no início do afilhamento e, o restante, no início do alongamento. Aplicação tardia de N em cobertura, após a fase de emborrachamento, geralmente não afeta o rendimento de grãos, mas pode aumentar o teor de proteína no grão, sem que, necessariamente em todas as situações, o valor de W (força de glúten) seja alterado a tal ponto de modificar a classificação comercial do produto colhido".

Para os pesquisadores entrevistados, mais importante do que a dose de N são as condições ambientais no momento da aplicação, como temperatura e disponibilidade de umidade no solo, entre outras. "Muitos fatores estão envolvidos com a qualidade do trigo. Às vezes, somente mudando a época de semeadura já podemos verificar variações na qualidade tecnológica. Não há insumo ou cultivar mágica. É fundamental identificar o melhor manejo para cada condição de cultivo", conclui Pires.

Contudo, os pesquisadores reconhecem que cada região e cada cultivar pode se comportar de forma diferente, ou seja, algumas são mais responsivas ao uso intensivo de fertilizantes. "Ainda não existem subsídios suficientes para fazer a recomendação oficial por cultivar. Cada obtentor deve orientar o melhor manejo de determinada cultivar e definir o ajuste fitotécnico específico", avalia o pesquisador da Embrapa Trigo José Pereira da Silva Junior.

Confira a entrevista com o pesquisador João Leonardo Pires.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Fertilidade
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada