dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     13/08/2020            
 
 
    
Manejo da Lavoura  
Trigo ainda é a melhor opção
Apesar das estimativas para redução de área de trigo nesta safra, muitos produtores seguem apostando na cultura
Comente esta notícia Envie a um amigo Aponte Erros Imprimir  
Joseani M. Antunes, Embrapa Trigo
15/05/2017

O tema “Manejo de trigo para rentabilidade” levou mais de 150 produtores da região noroeste ao encontro promovido pela Cotricampo e Embrapa Trigo, no dia 11/05, em Campo Novo, RS. Apesar das estimativas para redução de área de trigo nesta safra, muitos produtores seguem apostando na cultura.

Atualmente, são 66 cultivares de trigo disponíveis no mercado para o Rio Grande do Sul e 64 cultivares indicadas para Santa Catarina. Para o pesquisador Eduardo Caierão a escolha da cultivar deve considerar uma série de fatores como: liquidez (qualidade demanda pela indústria e oportunidades de segregação); tolerância a doenças, germinação na espiga ou acamamento considerando as previsões climáticas e a rotação de culturas da área; e potencial de rendimento associado ao custo de investimento mínimo exigido pela cultivar, como adubação ou redutor de crescimento.

Para melhorar a liquidez do trigo, a Cooperativa Tríticola Campo Novo (Cotricampo, de Campo Novo, RS), tem direcionado os produtores cooperados para adoção de um número reduzido de cultivares, entre 10 a 12 opções a cada safra. A qualidade comercial está fracionada em 80% trigo pão e 20% trigo branqueador. “Toda a produção é segregada. Assim atendemos o nosso moinho e ainda exportamos farinha para outros estados”, conta o Presidente da Cotricampo, Gelson Bridi. A estratégia garante preços ao produtor entre 8 a 20% acima do mercado.

Reduzindo custos

A época indicada para a semeadura do trigo no Rio Grande do Sul iniciou em 11 de maio e se estende até 20 de julho. O aumento dos estoques mundiais de trigo, a baixa no preço das commodities e a elevação na cotação do dólar encarecendo os custos de produção são alguns dos fatores que podem repercutir na implantação das lavouras de trigo nesta safra.

Para apontar estratégias de manejo capazes de assegurar o rendimento do trigo ao menor custo de produção possível, a Embrapa Trigo está realizando eventos em parceria com cooperativas e assistência técnica no Rio Grande do Sul nos meses de maio e junho.

Para o pesquisador João Leonardo Pires, o casamento de trigo no inverno com a soja no verão ainda é a melhor opção para o produtor gaúcho. “Sabemos que a cultura de maior importância econômica é a soja. Por isso mesmo, é preciso saber aproveitar o inverno para garantir o melhor resultado no verão”, alerta Pires, destacando o papel do trigo no controle de plantas daninhas, na diluição de custos na propriedade ao longo do ano, no melhor aproveitamento do maquinário e mão-de-obra e na fertilidade do solo.

O produtor Nelson Teneroller, de Humaitá, RS, trabalha com trigo há 15 anos e nem pensa em abandonar a cultura: “Aplico toda a adubação no inverno e posso deixar para a soja no verão, aproveitando melhor o tempo e o investimento”, conta o produtor que em 2016 perdeu toda a lavoura pronta para colher para o granizo. “Mesmo perdendo em grãos, o trigo me ajudou com a soja. Enquanto o vizinho que deixou a lavoura em pousio no inverno colheu 55 sacas de soja por hectare, eu consegui colher 80 sacas de soja. Isso porque minha lavoura estava bem adubada, com solo estruturado e livre de buva”, comemora Teneroller.

Outro investimento do produtor foi na rotação de culturas: a área com aveia ou nabo é seguida pelo milho no verão, recebendo trigo no inverno e soja na safra seguinte. Em apenas 30 hectares, o planejamento garante cobertura permanente do solo, com bom volume de raízes e palha. “Quem disse que trigo não é um bom negócio é porque não pensa no sistema, olha cada safra separada. Basta comparar os resultados sem cultura no inverno para entender a importância do investimento”, finaliza Nelson Teneroller.

De acordo com o pesquisador José Eloir Denardin, a média nacional de produção de soja estagnou no ano 2000, com 2.700 kg/ha. “O limitante está no solo, já que os demais fatores tecnológicos continuam evoluindo, com cultivares mais produtivas, defensivos mais eficientes, novos conhecimentos em manejo”, explica Denardin, respaldando as práticas que estão sendo adotada pelo produtor de Humaitá: “Os microorganismos precisam da palha e as raízes do inverno para decompor, tornando o solo mais poroso e com maior teor de matéria orgânica”.

“A tecnologia sempre pode melhorar, e o produtor também”, avalia o produtor Ernani Petry, de São Martinho, RS. Cultivando trigo há mais de 50 anos, Petry vai repetir os 600 hectares de trigo de 2016, satisfeito com os rendimentos na lavoura e com a liquidez na parceria com a Cotricampo.

O próximo encontro técnico “Manejo de trigo para rentabilidade” está marcado para o dia 26 de maio, em Espumoso, RS, através da parceria Embrapa Trigo, Cotriel e Emater/RS.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
Ainda não existem comentários para esta matéria.
Para comentar
esta matéria
clique aqui
sem comentários

Conteúdos Relacionados à: Cultura de inverno
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada