dia de campo

a
Esqueceu a senha?
Quero me cadastrar
     06/08/2020            
 
 
    

No Brasil, há três espécies do gênero Euterpe Mart. consideradas de importância econômica: juçara (E. edulis Mart.), açaí-de-touceira (E. oleraceae Mart.) e açaí solteiro (E. precatoria Mart.). A primeira espécie ocorre na Mata Atlântica e Cerrado e as duas últimas na Bacia Amazônica. Embora tenham sido exploradas por anos como produtoras de palmito, atualmente seu principal produto tem sido o fruto fresco, donde se extrai a polpa do açaí, especificamente das espécies açaí-de-touceira e açaí solteiro. O açaí é amplamente consumido na Amazônia brasileira, bem como de grande importância na dieta alimentar dos ribeirinhos e seringueiros. Devido à elevada capacidade antioxidante da polpa de açaí, considerada energética, funcional e nutracêutica (alimento que pode potencialmente apresentar algum benefício à saúde), o seu consumo expandiu-se além da fronteira amazônica, tornando-se popular nos centros urbanos de outros estados do Brasil e também no exterior.

A espécie E. oleraceae, conhecida popularmente como açaí-de-touceira e açaí-do-pará, é uma palmeira multicaule que ocorre nas áreas de várzea de muitos rios da Amazônia Oriental, nos estados do Amapá, Maranhão, Pará e Tocantins. A espécie E. precatoria, vulgarmente conhecida como açaí-de-terra-firme, açaí-do-amazonas, açaí solteiro e açaí solitário, é, ao contrário da E. oleraceae, uma palmeira de estipe única, ou seja, não perfilha, com ocorrência natural em terra firme ou nas várzeas de alguns rios na Amazônia Ocidental, nos estados do Acre, Amazonas, Rondônia e Roraima.

A espécie mais abundante e comercialmente explorada é o açaí-de-touceira, com aproximadamente 98% da produção de frutos. O Estado o Pará, onde ocorre grandes concentrações dessa espécie, é o maior produtor, representando quase 90% da produção nacional.

Muitos estudos têm sido realizados com o açaí-de-touceira, provavelmente devido a sua representatividade em termos de produção. Esses estudos abordam desde trabalhos com pós-colheita de frutos, caracterização e produção de derivados da polpa até o desenvolvimento de sistema de cultivo, assim como manejo de açaizais nativos. Inclusive uma cultivar de açaí-de-touceira, BRS-Pará, já foi lançada pela Embrapa Amazônia Ocidental. No entanto, estudos com açaí solteiro são escassos, o que leva a uma grande carência de informações sobre essa espécie, embora o seu fruto seja amplamente consumido na Amazônia Ocidental. Esse consumo é atendido por produção extrativista praticada nas populações nativas de açaí solteiro, mas não atende a demanda total do mercado. Problemas como corte indiscriminado de plantas, que não rebrotam, para extração do palmito, desmatamento e destruição dos açaizais mais próximos dos centros de consumo e coleta de 100% dos cachos comprometendo sua regeneração natural vêm reduzindo ano a ano essa capacidade de produção.

As diferenças ecológicas entre essas duas espécies, assim como das propriedades físico-químicas da polpa, são desconhecidas. Sabe-se que o açaí solteiro produz em período alternado (primeiro semestre) ao açaí-de-touceira (segundo semestre), o que seria proveitoso, pois poderia suprir a carência de frutos no período de entressafra da outra espécie. É conhecido que o açaí solteiro ocorre não somente em área de várzea, mas também de terra firme, o que poderia indicar que está mais adaptado a condições de solo menos úmido.

Nos estados da Amazônia Ocidental, o consumidor local demonstra preferência pelo sabor da polpa de açaí solteiro em detrimento à de açaí-de-touceira. Uma pesquisa realizada pela Universidade A&M do Texas nos Estados Unidos, comparando a composição fitoquímica e as propriedades antioxidantes da polpa de frutos das duas espécies de açaí, mostrou que ambas apresentam perfis de polifenóis (substâncias naturais encontradas em plantas, com propriedades antioxidantes) e capacidade antioxidante similares. Contudo, um estudo recente, desenvolvido pela Universidade do Arkansas, também nos Estados Unidos, revelou maior capacidade antioxidante e efeito anti-inflamatório da polpa de frutos de E. precatoria em relação à polpa de E. oleraceae.

O plantio de açaí solteiro em monocultivo ou em sistemas agroflorestais pode representar uma alternativa para a recuperação de áreas degradadas ou reflorestamento de áreas de proteção permanentes. Trabalhos desenvolvidos pela Embrapa Acre apontam para o manejo de açaizais nativos como uma boa alternativa para a complementação da renda familiar dos assentados extrativistas, uma vez que a produção de açaí ocorre na entressafra da castanha-do-brasil, podendo ser mais uma atividade geradora de renda desenvolvida paralelamente à produção da borracha.

Verifica-se que essa espécie tem um grande potencial econômico de uso, contudo é necessário conhecê-la melhor. Pesquisas relacionadas ao potencial produtivo de populações nativas, ecologia, fisiologia, desenvolvimento de sistema de cultivo, melhor caracterização da polpa e da cadeia produtiva seriam de grande importância para subsidiar o manejo de açaizais nativos, bem como estimular a implantação de áreas de cultivo com essa espécie. Nesse sentido, a Embrapa Acre em parceria com outras Unidades da Embrapa na Amazônia vêm articulando projetos em rede que abordaram pesquisas principalmente na área de domesticação e sistema de cultivo do açaí solteiro.

Aviso Legal
Para fins comerciais e/ou profissionais, em sendo citados os devidos créditos de autoria do material e do Jornal Dia de Campo como fonte original, com remissão para o site do veículo: www.diadecampo.com.br, não há objeção à reprodução total ou parcial de nossos conteúdos em qualquer tipo de mídia. A não observância integral desses critérios, todavia, implica na violação de direitos autorais, conforme Lei Nº 9610, de 19 de fevereiro de 1998, incorrendo em danos morais aos autores.
regis ernesto
23/11/2017 19:03:55
muy interesante. esa especie de acai solteiro e a que mais abunda na mía región. gostaria de conseguer sementes de brasil.

Para comentar
esta matéria
clique aqui
1 comentário
Integração reduz impactos ambientais
Além de emitir menos gás carbônico, lavouras, pastos e florestas integrados minimizam problemas com erosão e degradação do solo
Inseticida combate broca-da-erva-mate sem agredir ambiente
Bovemax, que deve chegar ao mercado este ano, utiliza apenas um óleo vegetal e um fungo que causa doença ao inseto da cultura
Pimenta bode: cheiro forte, frutos uniformes e ideal para conserva
Embrapa Hortaliças vai lançar pimenta em junho, mas sementes só chegam ao mercado para os produtores no ano que vem
Ração de galinhas poedeiras proporciona maior lucratividade na venda de ovos
Diminuição do nível de fósforo reduz custos da mistura
Dica: bê-a-bá da balança rodoviária
O emprego destes equipamentos reduz os custos operacionais e proporcionam agilidade. Para garantir pesagens seguras, no entanto, é importante estar munido de algumas informações.
O uso de maturadores na cultura do café
Alternativa de produto tem o objetivo de, com sua aplicação foliar, promover maior uniformidade da maturação e também a antecipação da colheita de 15 a 20 dias.
Produção de Híbridos na Piscicultura
Tecnologias como a indução hormonal e reprodução artificial, tornam a produção de peixes híbridos uma prática relativamente simples
A pecuária e os gases de efeito estufa
A qualidade da dieta do animal tem forte influência sobre a emissão de metano e é essa uma das principais linhas de pesquisa visando mitigar a emissão de GEE
A maior oferta de carne bovina no mundo depende de nós
Os números recentes da pecuária comprovam que a atividade responde rapidamente aos investimentos
O descaso das autoridades ocasionou prejuízos aos produtores de feijão
O que os produtores desejam são regras claras. Se não há recursos para cumprir as promessas, não as façam. Não induzam a pesados prejuízos os sofridos produtores brasileiros
Nova cultivar de feijão rende de quatro a cinco mil quilos por hectare
Indicada para produtores de PR e SP, a IPR Tuiuiú deve chegar ao mercado em 2011
Embrapa investe em tecnologias sustentáveis para combater doenças na lavoura
A expectativa é que dentro de dois anos novos produtos não tóxicos estejam disponíveis
Fitorreguladores equilibram desenvolvimento vegetativo e reprodutivo da planta
Substância reguladora impede que algodoeiro cresça demais, reduzindo os custos de produção em 4%
Inseticidas usam bactérias para combater insetos nas plantações
Produto não agride o meio ambiente, é 100% eficaz e pode ser usado em diversos tipos de cultura

Conteúdos Relacionados à: Silvicultura
Palavras-chave

 
11/03/2019
Expodireto Cotrijal 2019
Não-Me-Toque - RS
08/04/2019
Tecnoshow Comigo 2019
Rio Verde - GO
09/04/2019
Simpósio Nacional da Agricultura Digital
Piracicaba - SP
29/04/2019
Agrishow 2019
Ribeirão Preto - SP
14/05/2019
AgroBrasília - Feira Internacional dos Cerrados
Brasília - DF
15/05/2019
Expocafé 2019
Três Pontas - MG
16/07/2019
Minas Láctea 2019
Juiz de Fora


 
 
Palavra-chave
Busca Avançada